Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2009

Empresas avaliam que crise será superada em 2 anos

Pesquisa realizada pelo Fórum de Líderes Empresariais - instituição que engloba cerca de 1,3 mil líderes empresariais de todo o País - indica que a crise mundial deverá durar de um a dois anos, informa o site InfoMoney.

Na análise por setor, tanto as indústrias quanto as empresas do setor de serviços trabalham com uma perspectiva de que a crise irá durar entre um e dois anos. Entre os industriais, essa é a aposta de 74% dos entrevistados - 18% acreditam que a crise possa durar até mais de dois anos e 8% apostam que ela não passará de um ano.

Já entre as empresas de serviços, 63% disseram que a crise permanecerá por um ou dois anos e 23% se mostraram mais otimistas, respondendo que ela deve durar menos de um ano. O restante trabalha com a hipótese de que a crise durar mais de dois anos.

Medidas do governoPraticamente metade (46%) dos entrevistados afirmaram que as medidas adotadas pelo governo brasileiro para contornar a crise são insuficientes; outros 30% creem que as medidas são consistentes e outros 24% consideram que elas privilegiam apenas alguns setores mais organizados, deixando os demais de lado.

A pesquisa foi realizada com 180 empresários do País, dos setores de serviços (40%), indústria (32%), comércio (13%) e outros (agropecuária, educação etc), pela Companhia Paulista de Pesquisa de Mercado.

Fonte: site Pequenas Empresas Grandes Negócios

____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)
Leia mais!

Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2009

Internautas no mundo passam de 1 bilhão

O continente asiático é o que mais possui internautas: 41,3%

A comScore, companhia de pesquisa de mídia digital, divulgou a pesquisa que informa o número total de usuários de internet, divididos em continentes e nações. Medido pelo recurso World Metrix, o estudo informou que, em dezembro de 2008, a audiência global na internet chegou a 1.007.730.000 pessoas – contabilizando pessoas acima de 15 anos com acesso em casa e/ou trabalho. O tráfego de computadores públicos e telefones móveis não foram contabilizados.

O país que lidera o número de acessos é a China, com 179.710.000 de internautas, o que corresponde a 17,8% do mundo todo. Proporcionalmente, o segundo colocado, os Estados Unidos, possuem maior inclusão digital que os chineses: são 163.300.000 de usuários, ou 16,2% dos internautas mundiais. O Brasil tem 2,7% de toda a população virtual do mundo, com 27.688.000, ocupando a nona posição.

A Ásia, impulsionado por China e Japão, é o continente com maior número de internautas, com 41,3% de usuários do mundo. O Oriente Médio e a África são donos da menor fatia: juntos, somam apenas 4,8% da população mundial.

A dominância do Google
A pesquisa da comScore também mediu as empresas que recebem mais visitantes na internet. O topo fica com os sites do Google, que possui 775,98 milhões de usuários únicos, ou seja, cerca de 77% da população internauta do mundo visita os sites da companhia. Os sites da Microsoft representam 64,2% dos internautas, com 646,915 milhões de visitantes. A terceira companhia com maior audiência é o Yahoo!, que com 562,571 milhões, recebe 55,8% da audiência mundial.
Fonte: Revista Info
____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)
Leia mais!

Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2009

INTERNAUTA LEVA EM CONSIDERAÇÃO A OPINIÃO DE OUTROS USUÁRIOS ANTES DE COMPRAR EM UMA LOJA VIRTUAL

Pesquisa realizada pela F/Nazca com o apoio do Datafolha aponta que o número de brasileiros que utilizam das ferramentas da internet como base ativa de consumo cresce a cada dia. O estudo que analisou internautas com mais de 16 anos verificou que dos 64,5 milhões de pessoas que têm acesso a web, 51% comentaram que a busca por informações generalizadas são o principal motivo da navegação e os 48% restantes sempre procuram sites com opinião de seus pares publicados na rede antes de efetuar algum tipo de compra no varejo on-line.

Os dados revelam que a rede possibilita a interação de compradores e vendedores on-line, 26% dos entrevistados disseram que já publicaram opinião em sites que compraram. Anderson Honoratto, analista de negócios da Tray Sistemas, verificando essa necessidade, criou dentro da página de cada produto disponível na loja virtual, um local para que todos os compradores exponham suas experiências e opiniões sobre a mercadoria, além disso, essa nova ferramenta possibilita que o cliente com sua opinião, pontue o produto como excelente, ótimo, bom ou ruim, possibilitando uma maior garantia e finalização nas compras.

Outro fator que atualmente contribui para ampliação dessa comunicação informal sobre produtos e serviços na web, são as chamadas redes sociais e blogs. Muitos internautas estão utilizando essas ferramentas por possibilitarem maior abrangência nacional. A rapidez na velocidade da informação transmitida possibilita que inúmeras pessoas tenham acesso a esses conteúdos e o utilizem como forma de pesquisa de opinião.

Para Reinaldo Martins, coordenador de marketing da Tray Sistemas, com a popularização das redes sociais as empresas e principalmente as lojas virtuais estão cada vez mais preocupadas com a imagem que elas estão transmitindo aos consumidores. "Hoje o consumidor tem o poder de propagar uma imagem positiva ou negativa de uma marca para milhões de pessoas. Por isso além das empresas prezarem por um bom atendimento e qualidade dos produtos e serviços que proporcionam, também deve estar atentas a repercussão que a imagem de sua marca está tendo na rede, monitorando, interagindo e colaborando com as comunidades virtuais", conclui.

Fonte: SEGS Portal.____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)
Leia mais!

Terça-feira, 27 de Janeiro de 2009

Em 1ª pesquisa, governo Obama é aprovado por 68% nos EUA

Apenas 12% desaprovam a gestão do presidente em sondagem realizada nos primeiros 3 dias da administração. Uma pesquisa de opinião divulgada pelo instituto Gallup apontou que 68% dos norte-americanos aprovam os primeiros três dias de governo do presidente Barack Obama. Trata-se de um número elevado para presidentes iniciantes, mas é menor que os 72% de aprovação obtidos por John F. Kennedy em 1961.
pesquisa apontou ainda que 12% desaprovam o desempenho do democrata. Richard Nixon obteve 59%, Ronald Reagan e George H. W. Bush ficaram com 51% cada um, e Bill Clinton, com 58%. George W. Bush, antecessor de Obama, teve 57%.

A empresa ressaltou ainda que tanto Bill Clinton como George W. Bush iniciaram seus primeiros mandatos com rejeição maior que Obama, com 20% e 25%, respectivamente. O percentual de aprovação para os presidentes aumenta tradicionalmente depois dos 100 primeiros dias de mandato, já que os americanos passam a conhecer mais suas ideias e políticas. A única exceção foi com Carter e Clinton.

Foram entrevistadas 1.591 pessoas entre quarta-feira e sábado. A margem de erro é de três pontos porcentuais, para mais ou para menos. A empresa promete uma pesquisa mais detalhada sobre Obama para 26 de janeiro, e divulgará a partir de agora todos os dias novas enquetes sobre o novo presidenteamericano, baseadas em estudos feitos sempre de três em três dias.
Fonte: Estadão.____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)
Leia mais!

Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009

Campanhas de 2008 são 57% mais caras do que as de 2004

A campanha eleitoral de 2008 em todo o país custou pelo menos R$ 2,43 bilhões, informa levantamento realizado pela Folha (íntegra disponível para assinantes do UOL e do jornal) nos registros oficiais do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Segundo a reportagem, as despesas da primeira disputa municipal depois do escândalo do mensalão (em 2005) foram 56,77% maiores do que o total da campanha municipal anterior, de 2004, que custou declarados R$ 1,55 bilhão --já considerada a inflação do período 2004-2008.


A Folha informa que a cifra de R$ 2,43 bilhões foi obtida após a exclusão de erros cometidos por pelo menos seis candidatos em suas declarações. Entre os partidos, o PMDB, com R$ 422 milhões, encabeçou o ranking em 2008. A liderança não surpreende, já que foi a sigla que mais lançou candidatos, com 2.660 nomes para prefeitos, dos quais elegeu 1.200, incluindo os de cinco capitais, e outros 39.090 candidatos a vereador, dos quais foram eleitos 8.466. O PSDB apareceu em segundo lugar, com R$ 364 milhões, seguido de perto pelo PT, com R$ 359,2 milhões.

Votos mais caros
Os votos mais caros do país estão longe das capitais. O levantamento nas contas dos cem principais candidatos a prefeito indicou gastos de até R$ 418 por voto conquistado, cerca de 5.000% superior à média, por exemplo, das maiores campanhas na cidade de São Paulo.
A pesquisa comparou a despesa total declarada pelo candidato com o número de votos que recebeu. Apenas um candidato das capitais ficou entre os 20 maiores gastos por voto recebido: Carlos Augusto Moreira Júnior (PMDB), que acabou em terceiro lugar na disputa em Curitiba (PR). Sua campanha teve custo médio de R$ 124,60 por voto recebido.

O levantamento mostra ainda que, entre os 20 candidatos que mais gastaram, metade não se elegeu. O campeão do país, em custo por voto recebido, é Victor Priori (PSDB), que gastou R$ 418,37 por sufrágio e ficou em terceiro lugar em Jataí (GO). O maior custo por voto de um prefeito eleito foi na campanha de Luiz Carlos Attié (DEM), em Cristalina (GO) --R$ 137,62 por cada voto.

Fonte: O Pantaneiro____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)

Leia mais!

Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2009

Brasil se tornará o terceiro maior mercado de PCs do mundo até 2010, revela pesquisa

O Brasil se tornará o terceiro maior mercado de PCs do mundo até 2010, segundo um estudo encomendado pela Intel sobre a situação da informática na América Latina. A pesquisa revela as principais tendências no que diz respeito à penetração de computadores, internet e hábitos de compra dos consumidores no continente.
O Brasil, onde 31% dos lares têm computador, deverá se tornar o terceiro maior mercado de PCs no mundo até 2010, aponta a pesquisa. Segundo a Intel, 45% dos entrevistados estariam dispostas a pagar entre R$ 1.450 e R$ 2.200. A barreira psicológica começa a partir do preço de R$ 3 mil por um notebook.


O estudo revela que 62% dos consumidores das classes A e B brasileiras que compraram um computador nos últimos 12 meses procuraram informações pela Internet para ajudá-los na escolha do produto, seja em boletins informativos, sites de busca, páginas dos fabricantes e fórum de discussões especializados em tecnologia da informação (65% dos consumidores). Além disso, 93% dos consumidores verificam pessoalmente o produto nas lojas antes de realizar a compra e apenas 19% efetua compra online.

O consumidor que pertence à classe A costuma ir até uma loja para obter informações sobre os equipamentos e também para ver uma demonstração. Já a classe B tem como característica preponderante para a aquisição de um computador a junção de três fatores, preço, desempenho e velocidade do processador. O México, apesar de ter apenas 31% dos lares com pelo menos um computador, é o país com maior penetração da internet, com 93% dos proprietários de PCs acessando a rede. Em segundo lugar está Venezuela, com 77%, seguida da Argentina (72%), Chile (40,7%), Colômbia (28%) e Peru (14%).

Argentina: 50% da população têm computador em casa
Dentre as pessoas que possuem computador na Argentina, 72% estão conectadas à Internet, sendo que, desse total, 74% se conectam em casa (49% por banda larga ADSL, 39% por banda larga a cabo e 7% por discagem), segundo pesquisa contratada pela Intel e realizada pela Ipsos. A penetração de PCs no país é de 50%, sendo que 5% da amostra possuem notebook e 50% possuem desktops.

A penetração de PCs no Chile é de 63,3% (59% desktop e 21% notebook), segundo dados do Nationwide Study, pesquisa encomendada pela Intel e realizada pela Adimark - GfK. Desta porcentagem, 85% dos entrevistados adquiriram um computador novo, e 15% um PC de segunda mão. Quanto ao acesso à Internet 40,7% da população no Chile se conecta a rede. Desta porcentagem, 64,3% possuem o acesso em casa.

Apenas 12% dos consumidores compram PCs online, enquanto 86% compram diretamente no varejo. Mas, mesmo fazendo pesquisa online, 100% dos consumidores chilenos vão para as lojas de varejo para obter mais informações antes da compra.

Colômbia representa mercado com grande potencial de PCs e Internet
Na Colômbia, 45% dos entrevistados possuem computador, sendo que 41% têm desktops e 12% notebooks. Nas classes com maior poder aquisitivo, as pessoas possuem notebooks como segundo computador. Apesar de 55% das pessoas que participaram da pesquisa afirmarem não possuir computador, mais da metade delas já o utilizou pelo menos uma vez. Estas pessoas pertencem ao grupo de homens e mulheres com faixa etária de 16 a 30 anos que acessam a internet em Lan Houses e Cyber Cafés.

Além disso, 84% das pessoas que possuem computador o adquiriram novo, enquanto 7% compraram equipamento de segunda mão, comportamento que ocorre devido à baixa renda destes consumidores e da reduzida possibilidade de acesso ao crédito, conclui a pesquisa.
A penetração de Internet na Colômbia é de 28%, sendo que 44% acessam por banda larga e 35% por conexão discada. Já a penetração de Internet nos lares colombianos que possuem computador é de 61%.

O estudo revela que 49% dos colombianos que compraram um PC recentemente consideram-se bem informados sobre as tendências do mercado de processadores; 83% deles fazem pesquisa online em sites gerais, enquanto 75% pesquisam em sites de tecnologia especializados.
No Peru, 29% da classe AB pensa em comprar um PC nos próximos doze meses. A pesquisa revelou que 27% dos peruanos possuem, pelo menos, um computador (26% possuem desktops e 3% notebooks). A penetração de PCs é alta em classes sociais mais abastadas: 76% desses computadores pertencem à população da classe AB. Mais da metade das pessoas que não tem PC em casa já usaram um computador pelo menos uma vez.

A penetração de acesso à Internet no país é de 14%. Destes, 83% acessam a web via conexão discada e apenas 5% por banda larga. Já entre aqueles que possuem computador, a penetração de Internet é de 52%.

Venezuela: 33% das pessoas do país estão dispostas a comprar um PC
Pesquisa encomendada pela Intel e realizada nas áreas urbanas da Venezuela revelou que 55% dos entrevistados possuem computador em casa (51% desktop e 15% notebook). Importante notar que 100% destas pessoas pertencem à classe AB e compraram o computador novo. Caracas é a cidade com a maior penetração de computadores nos lares (70%). Quanto aos entrevistados que pertencem à classe E, 63% não possuem computadores.

No que diz respeito ao acesso à Internet, entre aqueles que possuem computador, 77% têm acesso à Internet e o tipo de conexão predominante é a banda larga (45% dos entrevistados). Os outros tipos de conexão utilizados são: conexão discada (38%) e WiFi (2%).

A pesquisa da Intel é feita periodicamente nas áreas urbanas com pessoas entre 16 e 75 anos que tenham alguma influência na compra de equipamentos eletrônicos para casa. A pesquisa atual ouviu em média 1.500 pessoas por país no primeiro semestre de 2008. As empresas contratadas para a realização das pesquisas foram: Ipsos no Brasil e Argentina; Millward Brown Andean Region na Colômbia, Peru e Venezuela; Adimark GfK no Chile e Select Research no México.

Fonte: O Globo____________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)

Leia mais!

Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2009

Estudo: 33% das crianças britânicas 'não conseguem' ficar sem computador

Pesquisa diz que crianças e adolescentes passam 6 horas por dia na frente de alguma tela - computador, internet ou videogame

Pelo menos no Reino Unido, as crianças estão trocando a televisão pela internet e pelos videogames. É o que sugere um estudo feito pela agência Childwise, voltada para pesquisa de mercado com o público infantil. De acordo com a pesquisa, os meninos e meninas britânicos entre 5 e 16 anos têm ficado cerca de 2 horas e 45 minutos assistindo TV. O tempo gasto com a internet e videogames é de, respectivamente, 1h30 e 1h20, aproximadamente.

Segundo o estudo, mais de um terço das crianças britânicas entrevistadas disseram que não poderiam viver sem seus computadores. O YouTube é o site preferido dos meninos e meninas entre 5 e 16 anos, seguido por sites de relacionamento. No total, foram entrevistadas 1.800 crianças britânicas, entre setembro e dezembro de 2008, conformou informou a BBC de Londres.O tempo gasto pelas crianças e adolescentes do Reino Unido com computadores e a televisão tem impactado diretamente na leitura. O levantamento da Childwise indica que as crianças gastam pouco mais de meia hora por dia com a leitura. E um quarto desses garotos não gosta de ler. Os meninos mais velhos, entre 11 e 16 anos, são os mais resistentes: 42% deles disseram que nunca lêem livros por prazer.Por outro lado, a pesquisa destaca que a maioria dos jovens continua praticando esportes. Em média, os jovens consultados gastam quase 5h por semana com atividades físicas.De qualquer maneira, o estudo da Childwise revela que as crianças têm cada vez mais acesso à internet. Metade dos entrevistados usa a internet de casa todos os dias e cada sessão dura mais ou menos 1h50. Mais de um terço dos consultados têm um computador no quarto.

Fonte: IDG Now!____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)
Leia mais!

Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2009

Pesquisa mostra que 43% dos brasileiros sofre de distúrbios do sono

Pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira do Sono mostrou que 43% dos brasileiros não têm um sono restaurador e apresentam sinais de cansaço no decorrer no dia. Os distúrbios dos sono podem causar desde problemas à saúde, como de relacionamento, profissionais e acidentes graves.
“A qualidade do sono é tão importante quanto a qualidade de alimentação. Quando o sono é restaurador acordamos com vitalidade, energia, e motivação. Quando não dormirmos o necessário despertamos, ao longo de vários dias, cansados em demasia, irritados e com a capacidade produtiva reduzida”, explicou Jânio Savoldi, especialista da entidade.
O pneumologista e professor da Universidade de Brasília, Carlos Viegas, afirmou que os três principais problemas do sono são as insônias circunstanciais ou crônicas; os distúrbios como a apnéia (paradas respiratórias durante o sono) e os roncos, que atingem grande parte da população, e os distúrbios neurológicos do sono, que são mais raros (apenas de 1% da população).
Segundo o médico, o sono existe para que se possa restaurar do ponto de vista físico e psíquico. É preciso dormir um determinado número de horas, com qualidade, para se passar pelos vários estágios do sono. “Quem sofre de distúrbio do sono poderá ter infarto, obesidade, diabetes, arritmia e hipertensão arterial. Não existe qualidade de vida sem qualidade do sono. Por isso, uma pessoa dorme um terço de sua vida, oito horas num período de 24 horas e aos 60 anos terá dormido 20”, exemplificou Viegas.
O pneumologista destacou, ainda, que uma pessoa que passa várias noites com o sono fragmentado, terá perda de atenção. “Um dos problemas mais comuns entre profissionais como motoristas e operadores de máquinas são os acidentes. No Brasil não há dados estatísticos, mas nos Estados Unidos são mais de 25 mil acidentes por ano, causados pela falta de sono”, afirma Viegas. O Laboratório de Medicina do Sono, do Hospital Universitário de Brasília, é o pioneiro no país no atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O Serviço só é prestado gratuitamente em mais duas outras capitais: Porto Alegre e São Paulo.
A psicóloga responsável pela área de psico-educação do Laboratório, Lisiane Bittencourt, indicou que se faça uma higiene do sono para se garantir uma noite tranqüila. “Deve-se deitar e acordar no mesmo horário nos sete dias da semana, desligar todos os aparelhos que despertem a atenção, evitar a ingestão de alimentos com cafeína, como o café, refrigerantes com cola, chocolate, beber pouco líquido após às 19h e comer refeições leves, de preferência até três horas antes de deitar”, recomendou Lisiane.

Fonte: Agência Brasil
____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)
Leia mais!

Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2009

EM TEMPOS DE FASHION RIO, EMPRESAS DE LUXO MOSTRAM CAUTELA PARA NOVOS NEGÓCIOS

Instituto realiza pesquisa especializada com marcas e clientes elitizados

O mercado da moda está fervendo no Rio de Janeiro. A 14ª edição do Fashion Rio, que acontece até o dia 16 de janeiro na Marina da Glória, apresenta ao público todas as vertentes que a moda e o business oferecem. No entanto, a cada temporada, uma dúvida fica no ar: qual será a tendência da próxima estação e o futuro dos negócios? Para tentar responder essa incógnita, com o mínimo risco de erro, grandes empresas estão aderindo às pesquisas de mercado.

Para levantar informações sobre o mercado de luxo, que abrange diversos setores (automóveis, moda, imóveis, entre outros), a GfK, um dos maiores institutos de pesquisa do país, vem realizando nos últimos três anos um projeto denominado O Mercado de Luxo. O objetivo do estudo é conhecer melhor o público elitizado e prover dados que possibilitem a profissionalização da gestão do mercado de luxo no Brasil. Segundo a Gerente de Marketing e Comunicação da GfK, Lucia Godoy, o setor tem apresentando um ritmo de crescimento muito forte e sustentável nos últimos anos e apresenta grande potencial de expansão. No entanto, as informações disponíveis sobre este nicho ainda são muito escassas e empíricas.

“Nessa pesquisa são levantadas informações como o faturamento e investimentos, os hábitos e atitudes de compra dos consumidores do Luxo, o perfil de consumidores atuais e novos entrantes na categoria, além de suas motivações de compra e seus gastos”, explicou a Gerente, que ainda completou: “Os resultados desta pesquisa vêm sendo utilizados para a tomada de decisão de empresas deste setor, que antes se dava essencialmente através da percepção e feeling dos profissionais que atuam no segmento”.

Além de conhecer melhor o mercado consumidor, a pesquisa coletou informações das empresas de luxo. Diretores e CEOs de empresas deste segmento responderam questões sobre área de atuação, número de funcionários, ações de marketing adotadas, investimentos realizados e público-alvo. Na 3ª edição da pesquisa que está sendo realizada este ano, até o atual colapso financeiro foi incluído no estudo, já que a escassez de crédito no mercado pode trazer impactos para os resultados do setor. “Em época de crise, as empresas têm que minimizar os erros. As informações provenientes desta pesquisa podem ajudá-las a desenvolver estratégias e ações mais eficazes”, afirmou Lucia.

Para realização do projeto Mercado de Luxo, a GfK contou com a parceria da DomusTec, empresa especializada em tecnologia para aplicação de pesquisas. Segundo Lucia, a equipe envolvida no estudo precisava de uma ferramenta que distribuísse os questionários de forma simples e obtivesse os resultados com rapidez. A solução foi a utilização do sistema QuestManager. “O uso de um software desenvolvido especialmente para pesquisas foi essencial”, completou a Gerente.____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)
Leia mais!

Quarta-feira, 14 de Janeiro de 2009

Um tímido “sim” à União Europeia

Menos da metade (49%) dos eleitores suíços é favorável à renovação e à ampliação dos acordos de livre circulação de cidadãos da União Européia (UE) no país. Isso é pouco, mas deverá ser suficiente para uma vitória da turma do “sim” no plebiscito de 8 de fevereiro próximo, porque os defensores do “não” tem apoio de apenas 40%. Os restantes 11% ainda estão indecisos, conforme mostram os números de uma pesquisa de opinião realizada pela Sociedade Suíça de Radiodifusão (SRG), à qual pertence também o portal swissinfo.ch.
A Suíça tem uma relação complexa com a União Europeia. O país decidiu não ingressar no bloco, mas não consegue viver sem ele, que é seu principal parceiro comercial. Muitas empresas helvéticas dependem da mão-de-obra dos países vizinhos, mas o maior partido do país (a UDC, direita nacionalista) teme uma invasão de estrangeiros e faz campanha contra a renovação dos acordos. Uma rejeição e revogação dos acordos isolaria ainda mais o país, que é uma ilha cercada por países da UE, e tornaria incerto o futuro de mais de um milhão de europeus que trabalham na Suíça.
Querendo ou não, através de acordos bilaterais assinados em 1999 e em 2004, cuja prorrogação agora depende de aprovação nas urnas, a Suíça está com um pé na UE e vê o ingresso definitivo como uma “opção de longo prazo”. Como integrante do “Espaço Schengen”, já é fronteira externa do bloco. Em algumas áreas, como é o caso do boicote à tripa bovina brasileira, Berna é obrigada a cumprir determinações de Bruxelas. Em outras, como na questão do sigilo bancário, é cada vez mais pressionada pela UE a adaptar suas leis à legislação europeia.
Fonte: Blog Coisas da Suíca______________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)
Leia mais!

Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009

Intervalo na carreira: perda de emprego é principal preocupação no mundo

A crise financeira global tem deixado você um pouco apreensivo em relação ao seu emprego? Se a resposta for sim, saiba que não é o único. Uma pesquisa mostrou que o desemprego é a principal preocupação global.No entanto, quando analisados os países do grupo BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), a preocupação com a perda do emprego cai para a quarta posição, atrás de corrupção e escândalos públicos; crime e violência; e pobreza e desigualdades sociais.

Na América Latina, por sua vez, a preocupação com o emprego é apenas a quinta, perdendo para crime e violência; pobreza e desigualdades sociais; corrupção e escândalos públicos; e educação. A pesquisa online, realizada pela Ipsos Global Public Affairs, ouviu 22 mil pessoas de 22 países que respondem a 75% do PIB (Produto Interno Bruto) mundial.

Os cinco mais
Confira abaixo quais são as principais preocupações mundiais, dos países do BRIC:

Corrupção e escândalos políticos ou financeiros

Crime e violência

Pobreza e desigualdades sociais

Desemprego

Cuidados com a saúde
Brasil
De acordo com os dados, 32% dos brasileiros estão satisfeitos com a situação do País, enquanto em outubro de 2007 a proporção era de 19%. O avanço foi o maior registrado no período, de 13 pontos percentuais, o mesmo registrado na França: de 23% para 36%.Apenas para comparação: a Índia tem um grau de satisfação de sua população de 53%, ante 60% na apuração feita em 2007, enquanto que a Rússia teve uma satisfação de 46% na contagem recente, contra 64% na anterior.

Fonte: Administradores.com ____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)
Leia mais!

Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2009

Mais da metade dos jovens menciona sexo, drogas e violência no MySpace, diz estudo

Pesquisadores norte-americanos afirmaram que mais da metade dos adolescentes demonstram comportamentos de risco, como sexo, violência e drogas em suas páginas pessoais. A pesquisa foi baseada no site de relacionamentos MySpace. A pesquisa mapeou 500 perfis de jovens cuja idade relatada é 18 anos, escolhidos aleatoriamente --54% deles apresentaram menções ou fotografias a sexo, substâncias ilícitas ou violência.
Segundo o trabalho, publicado na revista "Archives of Pediatric & Adolescent Medicine", muitos jovens usam redes sociais sem perceber o caráter público delas --e a grande propensão a riscos que apresentam. Esses sites podem, no entanto, identificar os incômodos pelos quais os adolescentes passam, dizem os pesquisadores.
"A maioria dos adolescentes que possui uma conta no MySpace está expondo comportamentos arriscados ao público," disse o pesquisador Dimitri Christakis, do Instituto de Pesquisa sobre Crianças de Seattle. O estudo foi realizado por Christalkis e por Megan Moreno, da Universidade de Wisconsin. "O fato é que eles desconhecem os riscos de relatos desse tipo, enquanto os pais igualmente ignoram o que seus filhos estão fazendo", afirma Christakis.
Para comprovar essa conclusão, os pesquisadores conduziram outro estudo adjacente, que questionou 190 indivíduos entre 18 e 20 anos sobre os comportamentos descritos em suas respectivas páginas no MySpace. À metade desses jovens, os pesquisadores enviaram uma mensagem a partir do perfil no MySpace de Megan Moreno, identificado como "Dr. Meg". No conteúdo, a mensagem trazia os riscos de revelar dados pessoais ao público e um link para um site com informações a respeito de doenças sexualmente transmissíveis.
Três meses após essa única mensagem, boa parte dos jovens retirou referências ao sexo e ao abuso de substâncias, assim como aumentou os controles de privacidade no conteúdo do perfil. O e-mail foi mais eficaz para as referências a sexo --13,7% eliminaram referências. Christakis diz que esse tipo de informação, uma vez exibida on-line, pode expor o adolescente a maníacos sexuais. Empresas e universidades também podem verificar as páginas pessoais --e, a partir de menções sobre comportamentos de risco, criar empecilhos para os jovens no futuro.
Fonte: Folha Online____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)
Leia mais!

Sexta-feira, 9 de Janeiro de 2009

Mulheres preferem internet do que sexo

Os homens estão passando tempo demais com outros entretenimentos e as mulheres preferem a internet do que sexo. Foi o que constatou a recente pesquisa “A importância da internet na economia atual”, realizada pela Harris Interactive, patrocinada pela Intel.
A pesquisa revelou que 65% dos adultos sentem que não podem viver sem acesso à internet e uma proporção ainda maior, 71%, responderam que é importante ou muito importante possuir dispositivos com acesso à internet, como laptops, netbooks e Dispositivos Móveis para a Internet (MID) que pode oferecer atualizações em tempo real sobre assuntos importantes, incluindo a circunstância da economia.
A maioria dos adultos norte-americanos também classifica a internet como uma ferramenta essencial para o gerenciamento das finanças pessoais, para encontrar descontos e os melhores negócios durante compras online. Muitos classificaram o acesso à internet como indispensável em relação a outros itens, como jantar fora, comprar roupas ou utilizar academias.
Você escolheria a internet ao invés do sexo? De acordo com a pesquisa, praticamente metade das mulheres, 46%, e 30% dos homens preferem ficar sem sexo por duas semanas, do que ficar sem o acesso à internet durante o mesmo período. Para mulheres entre 18 e 34 anos, o percentual foi de 49%, enquanto para as mulheres entre 35 e 44 anos, foi de 52%. Para homens entre 18 e 34 anos, o percentual foi de 39%.
O acesso à internet é essencial no atual clima econômico: 95% dos adultos acreditam que a conexão é muito importante, importante ou de alguma importância para pessoas que possuem dispositivos que permitam o acesso. A maioria, 82%, concorda que dispositivos com acesso à internet os ajudam a se manter atualizados, em tempo real, e 87% diz que o acesso à internet os ajudou a economizar dinheiro.
A internet supera a TV: a maioria, 61%, das mulheres adultas preferem abrir mão de assistir TV por 2 semanas do que deixar de acessar a internet por apenas 1 semana. A maioria dos adultos norte-americanos, 58%, tanto do sexo masculino quanto feminino, concorda. Muitos programas e filmes estão disponíveis online e notebooks com processadores poderosos e eficientes no consumo de energia possibilitam assistir TV – mesmo durante viagens – em praticamente qualquer lugar.
Essa pesquisa foi realizada online dentro dos Estados Unidos pela Harris Interactive, a pedido da Intel, entre os dias 18 e 20 de novembro com 2119 adultos com idade igual ou superior a 18 anos.
Essa pesquisa online não está baseada em amostras de probabilidade e por isso nenhuma estimativa de erros teóricos pode ser calculada.
Fonte: PC Magazine Brasil____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)

Marcadores:

Leia mais!

Quinta-feira, 8 de Janeiro de 2009

McLaren é a equipe mais popular, afirma pesquisa


Time de Woking tem 29% da preferência, 1% à frente da rival italiana Ferrari
A McLaren é a equipe mais popular da F-1, segundo uma pesquisa feita pela ING, patrocinadora da Renault, e publicada pela revista inglesa "F1 Racing". O time de Woking ultrapassou a Ferrari, que havia conquistado o primeiro lugar há dois anos.
A pesquisa online aconteceu em 2008 e contou com 70 mil votos de fãs de 160 países. A McLaren apareceu com 29% da preferência, 1% à frente da escuderia de Maranello. Na terceira colocação, aparecem Williams e Renault, com 6% cada uma.Em 2006, a Ferrari tinha 30% da preferência, enquanto a rival inglesa aparecia com 21%. Porém, logo depois desta pesquisa, Lewis Hamilton chegou à McLaren, assim como Fernando Alonso e o escândalo de espionagem.

"Enquanto Lewis merece cada elogio por ter se tornado o mais jovem campeão que o esporte já viu, na realidade, para isto ser alcançado requer o mesmo nível de dedicação e trabalho duro de cada membro da equipe em Woking, Brixworth e Stuttgart", disse Martin Whitmarsh, chefe-executivo da equipe inglesa.

A pesquisa também indicou que 68% dos votantes disseram acompanhar a F-1 há pelo menos 10 anos, e um terço afirmou estar presente em uma corrida por temporada.

Fonte: Tazio
____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)
Leia mais!

Segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009

Motorista ao celular é alvo de assaltantes, diz pesquisa


Usar celular ao volante não deixa o motorista sujeito apenas a uma multa: ele se torna alvo preferencial de assaltantes. É o que mostra pesquisa de uma empresa de segurança particular realizada em São Paulo, São Bernardo do Campo, Guarulhos, Santo André e Diadema. Usando o telefone, além de correr mais riscos de sofrer um acidente por causa da perda de reflexos, a pessoa fica mais suscetível a um roubo, pois perde noção do que está acontecendo à sua volta.
A empresa RCI First - Security and Intelligence Advising fez um levantamento em 1.258 processos nas seis cidades. São casos de atropelamentos, batidas, assaltos e furtos. Desses processos, 296 pessoas aceitaram responder a uma entrevista aos pesquisadores. Sob anonimato, 58% dos entrevistados admitiram que falavam ao celular quando ocorreu o acidente ou o crime. “A pesquisa é estarrecedora. Precisamos conscientizar a população dos males de falar ao celular. Até pouco tempo vivíamos bem sem ele. Não é possível que não possamos ficar sem o telefone enquanto dirigimos”, diz Ricardo Chilelli, diretor da RCI, que atua em 18 países.
Também foram consultados 318 detentos e ex-presos, com idade entre 15 e 31 anos, por meio de parentes e advogados. Segundo Chilelli, 84% dos criminosos pesquisados revelaram por meio de seus interlocutores que preferem escolher as vítimas com celular ao volante. “Na cabeça do criminoso, a pessoa se mostra distraída, além de expor aos bandidos seus objetos de valor.”
Fonte:Abril.com____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)
Leia mais!