Segunda-feira, 30 de Março de 2009

Classe C não poupa e quer consumir mais, diz pesquisa da McCann

A classe C brasileira quer consumir mais, não poupa, mas exige estabilidade econômica para colocar seus planos em prática, segundo pesquisa encomendada pela agência de publicidade McCann Erickson. O estudo é resultado de mil questionários aplicados nas cidades de São Paulo, Rio, Recife, Porto Alegre e Goiânia junto a casais com renda mensal entre R$ 1.000 e R$ 2.000. A faixa etária pesquisada foi de 20 a 65 anos --50% homens e 50% mulheres.

Conforme a pesquisa, a classe C identifica diferenças de consumo entre sua classe, pobres, classe média alta e ricos, e aponta sentimento de exclusão, não quanto ao financeiro, mas ao comportamental. "O desejo prioritário da Classe C é hoje consumir sem preocupação e aprender a se comportar como classe média", afirma Aloísio Pinto, vice-presidente da McCann Erickson.
Segundo o levantamento, 47% dos entrevistados se identificam como classe média baixa. "Têm a necessidade de priorizar os gastos, carregam sempre alguma pendência financeira, mas não sofrem a falta de alimentos". "É curioso perceber que a classe C deseja consumir mais, mas não demonstra a preocupação em mudar de classe", afirma Aloísio.


Quanto a fazer poupança, apenas 38% têm o hábito. Conforme a pesquisa, o hábito de poupar está diretamente ligado à faixa etária na classe C. Os mais velhos tendem a poupar mais. "Ainda assim, 45% afirmaram utilizar a poupança como se fosse uma conta corrente, muitas vezes sacando o valor total para os gastos mensais. O contingente dos que não possuem conta corrente ultrapassa a casa dos 30%."

Por outro lado, quando o tema é projeto de vida, estabilidade econômica é o item que aparece com mais força: 82% dos entrevistados afirmam ser prioridade e que nem sempre está associada ao trabalho formal. "Trocar a mobília da casa, reservar quantias maiores para o lazer da família e custear o ensino superior dos filhos também ocupam o topo dessa lista", informa o estudo.
Entre os sonhos de consumo, a compra do carro (de preferência zero quilômetro) é um projeto futuro para a metade dos avaliados.

Quanto ao acesso à crédito, 45% prefere recorrer a pessoas próximas e não a instituições financeiras, apesar de 47% afirmarem já terem feito empréstimos bancários. Cerca de 80% sente vergonha de pedir dinheiro emprestado e 91% apontam a burocracia como principal problema na obtenção do crédito no Brasil.

Fonte: Folha de S.Paulo____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)