Sexta-feira, 6 de Fevereiro de 2009

Pesquisa aponta otimismo entre executivos em transição de carreira

Apesar da crise financeira e das incertezas que cercam a economia, 54% dos executivos em transição de carreira estão otimistas em relação à sua recolocação no mercado. De acordo com uma pesquisa conduzida pela consultoria de gestão de capital humano Mariaca junto a 250 altos executivos – homens e mulheres de diferentes setores da economia –, esses profissionais acreditam que devem assumir uma nova posição dentro de, em média, três a seis meses.

Intitulada Pesquisa Mariaca sobre Demissão, a análise mostra que, apesar do otimismo, porém, 94% dos executivos admitiriam receber salários menores àquele pago no antigo cargo. Além disso, entre os entrevistados, 87% estariam dispostos a ocupar um cargo inferior ao que tinham antes. “Mesmo com o sentimento de otimismo, o momento é de cautela e os executivos sabem disso”, afirma Lúcia Costa, sócia-diretora da Mariaca na área de outplacement, que coordenou a pesquisa.

O levantamento indica que 48% dos executivos aceitariam mudar de área e 45% aceitariam esta situação, dependendo do desafio proposto. Dos entrevistados, 69% se sentem tranqüilos e confiantes e 45% encararam bem a demissão. O papel da família também é muito valorizado: 56% disseram que a vida familiar não foi afetada pelo desemprego e 70% disseram que a família sempre os apoiou. “A família é essencial para que o executivo encare bem a transição de carreira. Ela lhe dá suporte, o que eleva sua auto-estima”, complementa Lúcia.

Importância do outplacement
A transição de carreira, também conhecida como outplacement, conduzido por consultorias especializadas em gestão de capital humano, tornou-se uma ferramenta estratégica para as empresas e facilita a vida de quem enfrenta a demissão.

Para a empresa, o outplacement é uma saída para tornar menos traumático o processo de demissões, reduzir o impacto da crise provocada e evitar danos à reputação do profissional. Mas é também um instrumento para retenção de talentos, quando o processo é incluído no pacote de benefícios na contratação dos executivos.

Para o profissional que perde o emprego, esse apoio é importante para conseguir uma nova colocação no mercado. Na Mariaca, o prazo de recolocação de um executivo dura, em média, cinco meses. Sem esse suporte, esse prazo dura até mais de um ano.

A Mariaca utiliza várias ferramentas para orientar o processo de transição de carreira e buscar o melhor posto. O primeiro trabalho é tranqüilizar o executivo que, nessa fase da vida, enfrenta ansiedade, insegurança, queda da auto-estima e pressão da família e dos amigos. Entre as ferramentas está o Rastreamento da Economia, que monitora notícias, dados e movimentação da economia para identificar oportunidades de recolocação. Aplicam-se assessments que mapeiam as competências do executivo e sua tendência comportamental no contexto profissional, ajudando-o no direcionamento de sua carreira e escolha de mercado-alvo.

A consultoria também oferece ao executivo em processo de transição, itens como a infra-estrutura de um escritório, o desenvolvimento de uma estratégia individual para a recolocação, apoio emocional, treinamento para entrevistas, preparação de currículo, ferramentas de pesquisa de mercado online, bancos de dados, orientação para planejamento financeiro pessoal e assessoria na formação de um negócio próprio.

Fonte: IT Careers.____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)