Quarta-feira, 4 de Fevereiro de 2009

Pesquisa: 50% aprovam redução de jornada e salário na crise

Metade da população brasileira se mostra favorável à redução da jornada de trabalho com redução de salário como alternativa para que as empresas possam enfrentar a crise financeira mundial. O resultado foi divulgado pela pesquisa do Instituto Sensus encomendada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT).

No levantamento, enquanto 50% disseram ser a favor da medida, 38,9% dos entrevistados afirmaram ser contrários à proposta. Ainda para enfrentar as turbulências mundiais e minimizar o impacto da crise no mercado brasileiro, 74,2% se identificaram de forma favorável à possibilidade de abertura de linhas de crédito do governo para que as fábricas possam enfrentar o auge do processo. Nesse cenário, 14,4% se disseram contra a liberação desses recursos.

Apesar de o levantamento ter sido feito no final de janeiro, quando já haviam se consolidado cortes no quadro de pessoal de grandes empresas, a expectativa da população medida pela CNT/Sensus é a de que o nível de emprego vai melhorar nos próximos seis meses. Dos entrevistados, 51,1% acreditam nesta melhora, 20,3% acham que o cenário vai piorar e outros 21,7% opinaram que os patamares de emprego ficarão estáveis.

Na mesma perspectiva, 51,7% dos entrevistados observam que, nos próximos seis meses, vai se ampliar o nível de renda mensal, 31,4% consideram que ficará igual e 11,1% responderam à pesquisa dizendo que irá piorar. Quando medidas as expectativas sobre saúde, educação e segurança pública, a maior parte dos entrevistados também projeta bons resultados para os próximos seis meses. Na área da saúde, 52,1% consideram que os serviços irão melhorar; na educação o patamar positivo é de 57,7% e nas perspectivas de segurança pública a projeção positiva é de 42,6%.

Fonte: Terra
____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)