Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2009

Estudo: 33% das crianças britânicas 'não conseguem' ficar sem computador

Pesquisa diz que crianças e adolescentes passam 6 horas por dia na frente de alguma tela - computador, internet ou videogame

Pelo menos no Reino Unido, as crianças estão trocando a televisão pela internet e pelos videogames. É o que sugere um estudo feito pela agência Childwise, voltada para pesquisa de mercado com o público infantil. De acordo com a pesquisa, os meninos e meninas britânicos entre 5 e 16 anos têm ficado cerca de 2 horas e 45 minutos assistindo TV. O tempo gasto com a internet e videogames é de, respectivamente, 1h30 e 1h20, aproximadamente.

Segundo o estudo, mais de um terço das crianças britânicas entrevistadas disseram que não poderiam viver sem seus computadores. O YouTube é o site preferido dos meninos e meninas entre 5 e 16 anos, seguido por sites de relacionamento. No total, foram entrevistadas 1.800 crianças britânicas, entre setembro e dezembro de 2008, conformou informou a BBC de Londres.O tempo gasto pelas crianças e adolescentes do Reino Unido com computadores e a televisão tem impactado diretamente na leitura. O levantamento da Childwise indica que as crianças gastam pouco mais de meia hora por dia com a leitura. E um quarto desses garotos não gosta de ler. Os meninos mais velhos, entre 11 e 16 anos, são os mais resistentes: 42% deles disseram que nunca lêem livros por prazer.Por outro lado, a pesquisa destaca que a maioria dos jovens continua praticando esportes. Em média, os jovens consultados gastam quase 5h por semana com atividades físicas.De qualquer maneira, o estudo da Childwise revela que as crianças têm cada vez mais acesso à internet. Metade dos entrevistados usa a internet de casa todos os dias e cada sessão dura mais ou menos 1h50. Mais de um terço dos consultados têm um computador no quarto.

Fonte: IDG Now!____________________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)