Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2009

Brasil se tornará o terceiro maior mercado de PCs do mundo até 2010, revela pesquisa

O Brasil se tornará o terceiro maior mercado de PCs do mundo até 2010, segundo um estudo encomendado pela Intel sobre a situação da informática na América Latina. A pesquisa revela as principais tendências no que diz respeito à penetração de computadores, internet e hábitos de compra dos consumidores no continente.
O Brasil, onde 31% dos lares têm computador, deverá se tornar o terceiro maior mercado de PCs no mundo até 2010, aponta a pesquisa. Segundo a Intel, 45% dos entrevistados estariam dispostas a pagar entre R$ 1.450 e R$ 2.200. A barreira psicológica começa a partir do preço de R$ 3 mil por um notebook.


O estudo revela que 62% dos consumidores das classes A e B brasileiras que compraram um computador nos últimos 12 meses procuraram informações pela Internet para ajudá-los na escolha do produto, seja em boletins informativos, sites de busca, páginas dos fabricantes e fórum de discussões especializados em tecnologia da informação (65% dos consumidores). Além disso, 93% dos consumidores verificam pessoalmente o produto nas lojas antes de realizar a compra e apenas 19% efetua compra online.

O consumidor que pertence à classe A costuma ir até uma loja para obter informações sobre os equipamentos e também para ver uma demonstração. Já a classe B tem como característica preponderante para a aquisição de um computador a junção de três fatores, preço, desempenho e velocidade do processador. O México, apesar de ter apenas 31% dos lares com pelo menos um computador, é o país com maior penetração da internet, com 93% dos proprietários de PCs acessando a rede. Em segundo lugar está Venezuela, com 77%, seguida da Argentina (72%), Chile (40,7%), Colômbia (28%) e Peru (14%).

Argentina: 50% da população têm computador em casa
Dentre as pessoas que possuem computador na Argentina, 72% estão conectadas à Internet, sendo que, desse total, 74% se conectam em casa (49% por banda larga ADSL, 39% por banda larga a cabo e 7% por discagem), segundo pesquisa contratada pela Intel e realizada pela Ipsos. A penetração de PCs no país é de 50%, sendo que 5% da amostra possuem notebook e 50% possuem desktops.

A penetração de PCs no Chile é de 63,3% (59% desktop e 21% notebook), segundo dados do Nationwide Study, pesquisa encomendada pela Intel e realizada pela Adimark - GfK. Desta porcentagem, 85% dos entrevistados adquiriram um computador novo, e 15% um PC de segunda mão. Quanto ao acesso à Internet 40,7% da população no Chile se conecta a rede. Desta porcentagem, 64,3% possuem o acesso em casa.

Apenas 12% dos consumidores compram PCs online, enquanto 86% compram diretamente no varejo. Mas, mesmo fazendo pesquisa online, 100% dos consumidores chilenos vão para as lojas de varejo para obter mais informações antes da compra.

Colômbia representa mercado com grande potencial de PCs e Internet
Na Colômbia, 45% dos entrevistados possuem computador, sendo que 41% têm desktops e 12% notebooks. Nas classes com maior poder aquisitivo, as pessoas possuem notebooks como segundo computador. Apesar de 55% das pessoas que participaram da pesquisa afirmarem não possuir computador, mais da metade delas já o utilizou pelo menos uma vez. Estas pessoas pertencem ao grupo de homens e mulheres com faixa etária de 16 a 30 anos que acessam a internet em Lan Houses e Cyber Cafés.

Além disso, 84% das pessoas que possuem computador o adquiriram novo, enquanto 7% compraram equipamento de segunda mão, comportamento que ocorre devido à baixa renda destes consumidores e da reduzida possibilidade de acesso ao crédito, conclui a pesquisa.
A penetração de Internet na Colômbia é de 28%, sendo que 44% acessam por banda larga e 35% por conexão discada. Já a penetração de Internet nos lares colombianos que possuem computador é de 61%.

O estudo revela que 49% dos colombianos que compraram um PC recentemente consideram-se bem informados sobre as tendências do mercado de processadores; 83% deles fazem pesquisa online em sites gerais, enquanto 75% pesquisam em sites de tecnologia especializados.
No Peru, 29% da classe AB pensa em comprar um PC nos próximos doze meses. A pesquisa revelou que 27% dos peruanos possuem, pelo menos, um computador (26% possuem desktops e 3% notebooks). A penetração de PCs é alta em classes sociais mais abastadas: 76% desses computadores pertencem à população da classe AB. Mais da metade das pessoas que não tem PC em casa já usaram um computador pelo menos uma vez.

A penetração de acesso à Internet no país é de 14%. Destes, 83% acessam a web via conexão discada e apenas 5% por banda larga. Já entre aqueles que possuem computador, a penetração de Internet é de 52%.

Venezuela: 33% das pessoas do país estão dispostas a comprar um PC
Pesquisa encomendada pela Intel e realizada nas áreas urbanas da Venezuela revelou que 55% dos entrevistados possuem computador em casa (51% desktop e 15% notebook). Importante notar que 100% destas pessoas pertencem à classe AB e compraram o computador novo. Caracas é a cidade com a maior penetração de computadores nos lares (70%). Quanto aos entrevistados que pertencem à classe E, 63% não possuem computadores.

No que diz respeito ao acesso à Internet, entre aqueles que possuem computador, 77% têm acesso à Internet e o tipo de conexão predominante é a banda larga (45% dos entrevistados). Os outros tipos de conexão utilizados são: conexão discada (38%) e WiFi (2%).

A pesquisa da Intel é feita periodicamente nas áreas urbanas com pessoas entre 16 e 75 anos que tenham alguma influência na compra de equipamentos eletrônicos para casa. A pesquisa atual ouviu em média 1.500 pessoas por país no primeiro semestre de 2008. As empresas contratadas para a realização das pesquisas foram: Ipsos no Brasil e Argentina; Millward Brown Andean Region na Colômbia, Peru e Venezuela; Adimark GfK no Chile e Select Research no México.

Fonte: O Globo____________________________________________________________
Este texto pode ser copiado, distribuído, reproduzido, transmitido ou publicado em outros sites desde que mantidas as mesmas referências ao autor e à este Portal (www.PesquisadorModerno.com.br)